segunda-feira, 6 de junho de 2011

Oxi


Nas últimas semanas existe uma notícia correndo pelas mídias, algo sobre uma droga “nova” bem mais destrutiva que o Crack, chamada de Oxi. Segundo tais notícias o Oxi é literalmente um veneno, pois é feito com a mesma pasta de cocaína usada para fazer o crack. No entanto, ela é misturada com produtos químicos mais baratos, como cal virgem e querosene ou gasolina. Por isso, é mais tóxica ao organismo. Li outro dia um artigo no qual uma dentista voluntária foi chamada para tratar um rapaz menor de idade, que se encontrava em uma Comunidade Terapêutica para dependentes químicos. Segundo ela o rapaz estava sujo de vômito e diarreia, outros sintomas do Oxi, e apresentava necrose nos ossos da boca, o que a deixou impressionada, considerando a pouca idade do garoto e a situação que se encontrava.

Considerando outros aspectos, o Oxi representa um retrocesso no combate ao crime e às drogas, já que ela é mais barata e causa dependência quase que imediatamente, o que faz com que o usuário muitas vezes entre facilmente no submundo do crime. Para termos um exemplo, o Oxi hoje já responde por cerca de 80% das apreensões de drogas no Pará e em boa parte do Norte e Nordeste do país. “Definitivamente essa é a droga da moda aqui na nossa região", afirma o chefe da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado da Polícia Civil do Pará, Ivanildo Santos em entrevista à BBC Brasil. Segundo os especialistas o Oxi já existe a mais de duas décadas, no entanto era confundido com o Crack, já que são vendidas e usadas da mesma forma. Agora ela está chegando em grandes cidades, principalmente do Sudeste do Brasil, mas já é considerada uma epidemia geral.

Em uma conversa informal, uma pessoa me falou que era bom que o Oxi funcione de forma tão agressiva e destrutiva, já que o usuário normalmente morre rápido e o “problema” se elimina da mesma forma... Pensar assim a meu ver é literalmente “tapar o sol com a peneira”, pois se o Oxi é uma epidemia, como tal, ela se move rapidamente e a maioria afetada não possui estrutura ou expectativa de coisa alguma, são pessoas extremamente marginalizadas, transformando tudo num castelo de areia, que com o vento e a onda mais fraca o transforma em nada, ou melhor, se espalha, ou você acha que o moleque que assalta ou pede dinheiro na rua precisa do dinheiro para comprar pão?

Algo deste tipo precisa ser divulgado e é um problema de todos, tapando nossos olhos estamos nos entregando ao acaso, neste caso ao Oxi.



Saulo Henrique Ferreira

Psicólogo e Acupunturista CRP-12/08387

9637-0447 – 4105-0393

Email: saulohen@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário