terça-feira, 14 de junho de 2011

GREVE DOS ENFERMEIROS DO SANTA INES



Quando vou trabalhar, passo inevitavelmente na frente do Hospital Santa Inês de Balneário Camboriú e nesta semana percebi um movimento diferente, quando uma pessoa me abordou e me entregou um panfleto... Tratava-se de uma greve e desta vez foi com os profissionais enfermeiros e auxiliares de enfermagem do hospital mencionado acima. A partir daí fui atrás de todos os jornais da região e vi que essa história, como era de se esperar, já é bem antiga, reivindicações destes profissionais já percorrem os anos, um reajuste considerável, mas caro para o hospital, no entanto agora a situação tomou proporções insuportáveis.

Bom, considerando que vários veículos já noticiaram tais fatos como piso salarial, porcentagem, saúde pública, direitos e deveres, vou considerar aspectos não tão óbvios, mas muito claros. Quando um profissional reivindica por melhores salários e faz greve ele está dizendo que precisa pagar contas, que precisa comprar material escolar para os filhos, que precisa comprar comida de qualidade, que precisa de vez em quando ir ao cinema, tomar um sorvete na beira da praia, que precisa ser respeitado... É isso que ele pede. Eles não estão lá no frio no meio da rua de manhã cedo até sabe-se lá que horas porque gostam. É uma atitude extrema, mostrando que muitas vezes de forma politizada não se consegue muito, é preciso escancarar a ferida para que ela seja tratada.

Um profissional, de qualquer setor, que não está satisfeito trabalha sem vontade, desmotivado, piorando a qualidade de serviço e consequentemente do estabelecimento. Nesse caso específico estamos falando de salvar vidas e se expor a doenças, uma profissão das mais nobres. Aumentar os salários não vai fazer milagres, mas já é um começo.



Saulo Henrique Ferreira

Psicólogo e Acupunturista CRP-12/08387

9637-0447 – 4105-0393

Email: saulohen@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário