terça-feira, 28 de junho de 2011

ANVISA, SAÚDE E INIBIDORES DE APETITE





Depois de intensos debates, ao que parece, até o final do mês de julho será proibida a venda de inibidores de apetite em todo o Brasil. O que mais foi considerado para que essa medida fosse tomada, foram os efeitos adversos causados por tais medicamentos, como dor de cabeça, boca seca, elevação da pressão, taquicardia, constipação, lapsos de memória, depressão, problemas intestinais... A lista é grande e acredito que muitos já sentiram tais sintomas, se considerarmos que o Brasil é um dos países que mais consome tais medicamentos.

Tendo em vista tantos efeitos negativos, por que as pessoas continuam usando? Acredito que cada um deve ter seus motivos, mas consideraremos o mais óbvio, a vaidade. Que preço você está disposto a pagar para ter um corpo esguio? Deveria estar escrito na parte de trás da caixa desses medicamentos os efeitos, com fotos, como fazem nas caixas de cigarros, porque proibir a venda não quer dizer que o medicamento vai parar de ser consumido. Alguns profissionais e indústrias que fabricam tais “remédios milagrosos” são contra a proibição, alegando que os estudos sobre os efeitos negativos são premeditados e tendenciosos, já que a redução do peso iria reduzir uma série de sintomas como hipertensão, colesterol e afins. Mas eu me pergunto, não estão tentando “chover no molhado”? Reduzir a hipertensão com um medicamento que causa a elevação da mesma? Aumentar a autoestima do cidadão que se utiliza do medicamento para depois quando ele parar e engordar novamente parta para os antidepressivos?

Não sou Médico ou Farmacêutico, não quero passar uma ideia de causa e efeito, mas o que vejo são tentativas de mudança de vida de uma forma rápida e sem esforço por parte dos consumidores e uma mina de ouro por parte dos comerciantes... Sim medicamentos são um comércio e um dos maiores do mundo, já que se paga bons preços para ficar mais magro(a),nem que esse preço seja a própria saúde. Falando da minha formação, acredito que a mudança real venha de dentro para fora e não ao contrário, o processo de autoconhecimento e autocontrole é muito mais lento, no entanto mais efetivo. Medicamentos são importantes, mas se forem mal utilizados, sem o acompanhamento adequado, são como uma roleta russa, ou seja, uma brincadeira bem perigosa.



Saulo Henrique Ferreira

Psicólogo e Acupunturista CRP-12/08387

9637-0447 – 4105-0393

Email: saulohen@gmail.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário